Home   Fale Conosco
Carta Aberta
Legislação
Notícias
Dossiê
Comentário Externo
  Ensino médico: moeda de troca e fonte de lucro

Mais seis cursos de Medicina estão na fila e podem ser abertos a qualquer momento, o que elevará para 35 o número de escolas médicas no Estado


O governo federal insiste em transformar o ensino médico no Estado de São Paulo em um grande balcão de negócios. De 2002 a 2006 foram abertos seis novos cursos no Estado, três na capital e três no Interior, sendo apenas um ligado a universidade pública. Outros seis cursos estão na fila e podem ser abertos a qualquer momento, o que elevará para 35 o número de escolas médicas no Estado.

A abertura sem critérios não é uma novidade, mas nunca foi tão evidente que o governo está a serviço de interesses políticos e econômicos. As escolas médicas são entregues a apoiadores de campanhas eleitorais e correligionários na condição de moeda de troca valiosa, pois garantem prestígio, impulsionam economias locais e são fonte de lucro certo nas mãos de empresários da educação. Levantamento do Cremesp mostrou que passa de R$ 3.000,00 a média da mensalidade dos cursos privados de Medicina em São Paulo.

A absurda concentração de médicos – no Estado existe um profissional para cada 474 habitantes; na capital, um para cada 264 habitantes – é um dos reflexos da prática que há muito denunciamos. A novidade é que, ao dar continuidade à abertura indiscriminada de escolas, o governo federal traiu a sociedade e as entidades médicas. Passou por cima do acordo público firmado em 2003 entre os Ministérios da Educação e da Saúde, no plenário do Conselho Nacional de Saúde (CNS), de que não seriam abertos mais cursos até a definição de novos critérios. E já virou letra morta o Decreto Federal 5.773, de maio de 2006, que remetia novamente ao CNS a avaliação prévia da necessidade social dos cursos de Medicina.

Enquanto aguardamos o bom senso e o compromisso público das autoridades, atuamos em outra frente. Ao divulgar os resultados do segundo Exame do Cremesp, realizado no final de 2006, demos mais um importante passo na nossa meta de contribuir com a melhoria da qualidade dos cursos de Medicina no Estado.

Mantido o caráter experimental e a adesão espontânea dos estudantes de sexto ano de Medicina, a iniciativa pioneira firma-se como um alternativa que não tem nenhuma pretensão de substituir, mas de somar-se a outras medidas de avaliação permanentes ou pontuais que possam vir a ser adotadas pelas próprias escolas ou pelo MEC. Entendemos que a auto-avaliação deve ser completada com avaliações externas, realizadas com independência e transparência por especialistas e instituições idôneas, o que é fundamental para a melhoria dos cursos.

Como ainda não houve homogeinedade entre os cursos de Medicina quanto à distribuição dos estudantes participantes no Exame do Cremesp, não é possível uma análise definitiva e aprofundada. Por isso iremos dar continuidade à avaliação anual, e após uma série de exames, poderemos traçar um quadro mais consistente da realidade.

Em 2007 esperamos ampliar a participação dos formandos. Por meio do diálogo e do convite à reflexão, queremos vencer as resistências e boicotes daqueles que se opõem ao exame, seja pela dificuldade de aceitarem novas iniciativas, seja pelo receio de se submeterem à avaliação externa.

Os resultados do Exame de 2006 são preocupantes, ainda que façamos a ressalva de que foi avaliado um universo inicial de 688 alunos, dentre os mais de 2.000 que poderiam prestar o exame. A reprovação de 38% dos participantes na primeira etapa demonstra que o ensino médico não está à altura do que a sociedade espera e necessita de um profissional recém-formado. A situação pode ser ainda mais precária, se levarmos em conta que possivelmente os alunos menos preparados demonstram menor interesse em participar da avaliação do Cremesp.

Além do Exame, cruzamentos preliminares e ainda inéditos realizados pelo Centro de Dados do Cremesp revelam que há nítida relação entre o ensino e o aumento de denúncias contra médicos. São mais denunciados e há mais processos ético-profissionais contra médicos que se formaram em escolas que tiveram baixa avaliação nos exames do MEC e do Cremesp.

A abertura inescrupulosa de escolas médicas, o aumento de denúncias e de infrações éticas e o desempenho insatisfatório de jovens que iniciam a carreira médica são as várias faces de um mesmo problema, pois revelam a omissão e o descompasso de governantes que, em nome de outros interesses, deixam em segundo plano as necessidades sociais e os interesses da imensa maioria dos cidadãos.


Desiré Carlos Callegari
Presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo

Fonte: Editorial do Jornal do Cremesp nº 233 (janeiro/2007)


Veja notícia atualizada (06/02/2007) a respeito da autorização do MEC para o funcionamento de mais 3 escolas de Medicina no Estado de São Paulo, publicada no Diário Oficial da União de 02 de fevereiro de 2007.


 

 
  > Mobilização
> Abertura
> O objetivo da campanha
> DF tem dois programas de RM descredenciados
> Escolas de Medicina no Brasil: Relatório de um Cenário Sombrio
> Exame do Cremesp 2006: 2ª fase
> Exame do Cremesp 2007
> Pesquisa Datafolha/2007 revela:
> Exame do Cremesp 2007: resultados têm repercussão na mídia, escrita e eletrônica
> Exame do Cremesp 2010
> Exame Cremesp 2011: inscrições encerradas
> Concentração de médicos
> Educação discute validação de diplomas de Cuba
> Os hospitais de ensino
> Fórum A Formação Médica e seus Problemas
> Exame 2007: edição deste ano foi concluída com aplicação da prova prática aos recém-formados
> Exame do Cremesp 2007: resultados preocupam
> Mais rigor na abertura de escolas médicas
> Ensino médico
> Residência Médica
> Déficit de médicos no país?!?
> Faculdades privadas têm mais vagas
> Exame do Cremesp tem repercussão positiva
> Ensino médico: moeda de troca e fonte de lucro
> Medicina & Trabalho
> Moção de Apoio ao PL 65-A
> A concentração de médicos no Estado
> Perfil do médico paulista
> Três novos cursos de Medicina
> Mais nove cursos esperam abertura
> Exame do Cremesp
> Não há vagas de Residência Médica
> Exame Experimental 2006: 2ª etapa acontece em 05/11
> Infrações éticas aumentam a cada ano
© 2004 proteja-se.com.br- Todos os direitos reservados [ Webmaster ] [ Política de Privacidade ] [ Créditos ]